GungHo!

GungHo! – Ken Blanchard e Sheldon Bowles

Este livro, apesar de ter pouco conteúdo, representou para mim a entrada no mundo do coaching de liderança. Usei-o em inúmeras equipas para explicar o conceito da Liderança Situacional e da pirâmide invertida na forma de gerir pessoas e equipas.

É mais uma fábula ligeira na coleção Vectores de Liderança da editora Pergaminho. Colecção que usei ao longo de muitos anos para passar conceitos simples aos membros das minhas equipas e para oferecer prendas a formandos em cursos de liderança e gestão de equipas. 

Mais uma vez… Não é exactamente pelo seu valor concreto mas pelo que representou em termos de caminho. Foi a descoberta de um senhor brilhante chamado Ken Blanchard, que nunca mais deixei de seguir. E foi uma óptima referência externa para explicar o meu próprio conceito de liderança.

O livro foi descontinuado pelo Ken Blanchard, segundo o próprio evoluiu para a chamada Liderança Situacional e como tal deixou de ser usado pela sua equipa. Mas a forma como, através de uma fábula, explica como um líder deve actuar torna muito mais fácil passar a palavra aos outros, especialmente  nestes tempos em que a leitura deixou de ser prioridade para a maioria dos gestores.

Registei o domínio gungho.pt, tentei comprar 1000 exemplares, tentei comprar uma edição inteira, tentei até comprar os direitos de distribuição para Portugal, e tudo isso falhou. A minha ideia era juntar ao início do livro uma introdução escrita por mim, no final juntar a missão, visão e valores da Olisipo e depois oferecer um exemplar a cada funcionário no onboarding. Na verdade a ideia também não era exactamente barata mas o valor que dou a este livro é tanto que se me tivessem deixado era o que tinha acontecido algures em 2018.

O Livro resume-me a conceitos muito simples que deixo aqui para quem não tiver paciência de ler o livro, para aqueles que ainda assim o pretenderem aconselho a versão em inglês que pode ser encontrada na Amazon em formato papel ou ebook.

——————————————————

Plano de acção GungHo

  1. Trabalho que vale a pena
    1. Saber que tornamos o mundo um lugar melhor.
      – Trata-se do entendimento, não do trabalho.
      – Trata-se da forma como o trabalho ajuda os outros, não das peças produzidas.
      – Resultado: auto-estima, uma emoção tão poderosa quanto o amor e o ódio.
    2. Todos trabalham para um objectivo comum
      – A partilha de objectivos significa apoderar-se de objectivos, não só anunciá-los. Confiar e pôr os membros da equipa em primeiro ligar levar ao apoio dos objectivos
      – O gestor estabelece os objectivos cruciais. A equipa pode estabelecer os outros. (As pessoas apoiam melhor aquilo que ajudam a criar.)
      – Os objectivos são marcos topográficos que se estabelecem na paisagem futura, entre o sítio onde se está e onde se quer estar. Concentram a sua atenção de forma produtiva.
    3. Os valores guiam todos os planos, decisões e acções
      – Os objectivos são para o futuro, os valores são para agora. Os objectivos estabelecem-se, os valores vivem-se. Os objectivos mudam, os valores são rochas sempre presentes. Os objectivos põem as pessoas em movimento, os valores sustentam o esforço.
      – Os valores só se tornam reais quando se demonstram na forma como agimos e na forma como insistimos que os outros se comportem.
      – Numa organização GungHo, os valores são o verdadeiro padrão.

  2. Controlar a conquista do objectivo
  1. Um campo de jogo com território marcado de forma clara.
    – Os objectivos e valores definem o campo de jogo e as regras do jogo.
    – Os líderes decidem em que posição jogam os membros da equipa, mas depois têm de sair do campo e deixar os jogadores movimentarem a bola.
    – A liberdade de assumir o controlo vem do facto de se saber exactamente os limites do território.
  2. Pensamentos, sentimentos, necessidades e sonhos respeitados, ouvidos e realizados.
    – Só conseguimos assumir o controlo se o resto da organização nos apoiar e não nos boicotar a nós ou ao nosso trabalho.
    – Regra de ouro da gestão: Valorizar os indivíduos enquanto pessoas.
    – A informação é guardiã do poder. Toda a gente precisa de acesso total à informação. Os gestores têm de estar dispostos a abdicar das rédeas de controlo pelas quais trabalharam uma vida inteira. É difícil ser-se patrão sem se ser autoritário.
  3. Capaz mas desafiado.
    – As expectativas de produção devem estar de acordo com as capacidades e técnicas, mas, se tiver expectativas demasiado baixas, vai insultar as pessoas.
    – Nada destrói a auto-estima mais depressa do que saber que se está a enganar o sistema e não a contribuir. Se as pessoas não conseguem fazer um bom trabalho em troca de um bom salário, estão a ser rebaixadas.
    – O GungHo necessita de um esforço: trabalho que exija o melhor das pessoas e lhes possibilite aprender e seguir em frente em território não marcado.
  1. Animarmo-nos uns aos outros.
    1. Sejam activas ou passivas, as congratulações têm de ser verdadeiras.
      – As congratulações são afirmações de que o que as pessoas são e o que fazem é importante, e de que elas estão a dar uma contribuição valiosa para a conquista da missão partilhada.
      – Dizer às pessoas que óptimo trabalho fizeram ou entregar um prémio é uma congratulação activa. As congratulações passivas consistem em afastar-se e deixar um membro da equipa ir em frente com um projecto intrincado, complicado e importante, sem exercer nenhum tipo de controlo nem mesmo oferecer conselhos.
      – Não é possível exagerar nas congratulações VERDADEIRAS: Oportunas, Adequadas, Incondicionais, Entusiastas.
    2. Sem pontuação, não há jogo, e comemore-se o progresso.
      – Nos jogos de futebol americano, os fãs não ficam sentados em silêncio à espera do touchdown, enquanto a bola é movimentada pelo campo, antes de comemorarem. Comemore o progresso, não apenas os resultados. A medição (pontuação) partilhada com toda a gente gera entusiasmo.
      – Quanto mais para a direita estiverem as congratulações na escala abaixo, melhores e mais eficazes são:
                               Programado -> Espontâneo
                               Abrangente -> Individual
                               Geral -> Específico
                               Tradicional -> Único
      – Pare de concentrar-se nos problemas e na procura dos culpados (comportamento de polícia) e comece a procurar os responsáveis pelo que corre bem (comportamento de treinador).
    3. E = mc^2  –  O entusiasmo é igual à missão vezes dinheiro em caixa e congratulações.
      – Trabalho que vale a pena e controlo da conquista do objectivo – é uma missão
      – Animarmo-nos uns aos outros traz entusiasmo para o trabalho.
      – O dinheiro vem primeiro – é preciso alimentar necessidades materiais (comida, roupa, etc.) antes de se poder alimentar o espírito com congratulações.

——————————————————

Ken Blanchard companies

GungHo! na Amazon

Emma Watson leave books in NY subway

“Don’t let appearances fool you. There’s always only one reality.”

1q84_by_pixx_73-d9ftphf

1Q84 by Jiří Dvorský in Deviantart or Instagram

 

 

Edgar Allan Poe by Christopher Walken

Edgar Allan Poe by Iggy Pop

Diferenças

“Eu acredito numa sociedade que valorize as diferenças. Uma sociedade que valoriza a diversidade é uma sociedade mais rica porque se vê formas diferentes de ser e fazer as coisas. Uma sociedade assim é mais criativa e tem mais oportunidade de crescer. O que eu faria publicamente é o que já faço que é tentar não julgar as pessoas por pensarem de maneira diferente ou por serem diferentes seja por que razão for e defendê-las perante os outros quando eles não os aceitam.”

Um(a) Dream teen no livro “Adolescentes em navegação segura por águas desconhecidas”

Disponível em: http://www.coisasdeler.pt/index.php?id_product=264&controller=product



e no wook: http://www.wook.pt/ficha/adolescentes/a/id/17044129



 

 

Caos e poeira

“Devemos ser intolerantes apenas com a intolerância para que o amor prevaleça. Pois o amor morre numa sociedade não empática, fria e sem diálogo. É importante rejeitar a hostilidade à diferença e ouvir todos aqueles que têm algo para dizer, porque uma voz procura alguém para a escutar.

Então porque é que sequer consideramos parar de respirar quando é tão óbvio que é uma das coisas mais necessárias à nossa sobrevivência? E porquê deixar de amar se é algo tão necessário para a nossa vida? No entanto, a sociedade tem tendência a complicar tudo aquilo que aperfeiçoa e é então que todos nós entramos neste dilema que é encontrar o amor perfeito. Mas se reconhecemos isto então porquê tanta dificuldade no que toca a alimentar o bater do coração?

O amor e o sexo fazem parte da nossa natureza, talvez os devêssemos questionar da mesma maneira que questionamos a nossa respiração. Mas obviamente não o fazemos! É algo natural e essencial para todos nós. É parte do nosso bem-estar individual.

A verdade é que a estranha mistura de um cérebro tão racional com um sentimento tão contraditório só podia causar o caos total. Focamo-nos nas pequenas coisas, coisas estas tão simples como o que dizemos, quando o dizemos e porque o dizemos que acabamos por não comunicar de todo. Escondemo-nos por detrás de desculpas como o nosso vestuário, aparência, etnia, maneira de ser e pensar.

E muitas vezes acabamos por confundir a sexualidade com amor e aí até o próprio mundo parece comprimir-se em si mesmo tornando tudo em, nada mais nada menos, que num amontoado de pensamentos perdidos. Moral da história? Há que dar voz às vossas ideias, agir, falar e mostrar o nosso ser!

Pois tudo o resto é apenas poeira suspensa no universo…”

Margarida Gaspar Ramos no livro “Adolescentes em navegação segura por águas desconhecidas

Disponível em: http://www.coisasdeler.pt/index.php?id_product=264&controller=product

e no wook: http://www.wook.pt/ficha/adolescentes/a/id/17044129

 

 

“este homem está louco!”

“Vivemos numa geração em que o dinheiro está acima de todos os valores. Uma vez uma pessoa mais velha disse-me: “Escolhe o que te der mais dinheiro na vida.” E a primeira coisa em que pensei foi “este homem está louco!”. Eu quero ser uma pessoa que tem gosto pelo papel que está a desempenhar na sociedade (…) Muitos valores foram esquecidos, como o respeito, a confiança.

É importante reciclar alguns conceitos na sociedade para que no futuro ela melhore, porque não quero este tipo de sociedade para os meus filhos, uma sociedade que só critica, que não dá valor a muitas coisas, que desrespeita, que maltrata, que humilha, que só olha para o valor bancário de cada pessoa!”

Um(a) Dream teen no livro “Adolescentes em navegação segura por águas desconhecidas

Disponível em: http://www.coisasdeler.pt/index.php?id_product=264&controller=product



e no wook: http://www.wook.pt/ficha/adolescentes/a/id/17044129



 

 

SIM! É possível.

“É urgente uma reflexão profunda acerca daquilo que verdadeiramente importa na vida. Não é só ter uma casa, um trabalho, família. É essencial que não nos conformemos e que procuremos mais, que sonhemos mais e acima de tudo que façamos mais! Não podemos travar o sonho, o sonho move-nos, leva-nos além do que somos e eleva-nos enquanto humanos.
A sociedade, a escola, os pais e amigos têm de ser o motor da mudança.
O sonho começa com connosco, mas é preciso um motor, um apoio e incentivo para que esse sonho não fique parado. Têm de começar a dizer mais vezes SIM É POSSÍVEL aos jovens! SIM! Dizer e mostrar-lhes que tudo é possível!”

Um(a) Dream teen no livro “Adolescentes em navegação segura por águas desconhecidas

Disponível em: http://www.coisasdeler.pt/index.php?id_product=264&controller=product


e no wook: http://www.wook.pt/ficha/adolescentes/a/id/17044129

 

Inteligência

“Ser jovem saudável e realizado é continuar firmemente a batalhar pelo que nos dizem irrealizável. Menos do que isto, é sinal que perdemos a exigência. E quando isto acontece, é porque já estamos acomodados ao sofá da sala teclando na internet e no telemóvel, a nossa vida actual/virtual. Ser jovem não é estar na onda! É querer saber de que matéria são feitas as ondas. É a inteligência a funcionar em toda a parte, em qualquer contexto, em qualquer viagem. Sim, a inteligência é a propriedade mais WI-FI que possuímos dentro de nós.

Um jovem saudável, carrega a inteligência sempre consigo. Felizmente, ainda não há selfie que revele isto. É dentro de ti que começa a aplicação SMART!”

Um(a) Dream teen no livro “Adolescentes em navegação segura por águas desconhecidas

Disponível em: http://www.coisasdeler.pt/index.php?id_product=264&controller=product



e no wook: http://www.wook.pt/ficha/adolescentes/a/id/17044129